Conheça os principais tipos de cultura organizacional

Tempo de leitura: 6 minutos

Entre os objetivos em comum de todas as empresas, podemos citar o melhor capital humano possível como um deles. E estabelecer um dos tipos de cultura organizacional como política do negócio é fundamental para isso.

Antes de aceitar um novo cargo, os profissionais mais capacitados prezam por um bom ambiente de trabalho, em que os colaboradores sejam motivados a dar o seu melhor de várias formas.

Mas, você sabe do que realmente se trata essa cultura corporativa, qual a sua importância e as opções que as organizações podem adotar? Este artigo tem como objetivo expor esses aspectos. Continue a leitura e conheça!

O que é a cultura organizacional

O conceito e os tipos de cultura organizacional variam de empresa para empresa, mas podem ser definidos como o conjunto de políticas estabelecidas pelo negócio.

Missão, visão, valores, normas de conduta, código de ética e outros aspectos que os colaboradores precisam entender e respeitar, a serem definidos na construção do planejamento estratégico, e devem ser entendidos e praticados pelo capital humano.

Todas essas ações guiam as equipes para atingir um objetivo em comum e conhecer essas características é fundamental para fazer boas contratações e capacitar os atuais contratados, promovendo a sinergia das relações.

Qual a sua importância

Refere a um conjunto de práticas, conceitos e princípios que a empresa compartilha e mostra aos seus colaboradores, a conduta mais adequada no desempenho de suas atividades.

Dessa forma, a cultura serve como um modelo de comportamento e influencia diretamente na postura do funcionário.

Conhecer o seu funcionamento ajuda os gestores a analisar o próprio comportamento e a forma com que administram o negócio, fazendo com que o colaborador absorva melhor esses preceitos, atuando de maneira alinhada às políticas da organização e, consequentemente, produzindo bons resultados.

Tipos de cultura organizacional

A cultura organizacional não é única e engessada e pode se dividir em quatro tipos, o que não significa que sua empresa se enquadre em apenas um deles. Pode haver uma mistura desses elementos, sendo importante identificá-los para avaliar se estão de acordo com as políticas da empresa.

Lembre-se sempre de que a cultura deve incentivar o trabalho em equipe, a criatividade na resolução de problemas e na construção de ideias inovadores, o desenvolvimento da carreira profissional, melhoria contínua dos processos e a relação entre as equipes com o cliente. Conheça cada uma delas, a seguir.

Cultura da inovação

A cultura da inovação é bastante comum em empresas com pouco tempo de vida ou que ainda estão evoluindo, buscando um espaço no mercado ou experimentando resultados crescentes.

Chamamos de inovação pois ainda está construindo a sua identidade e, por isso, pode ser ajustada com o passar do tempo. Assim, missão, visão e valores são definidos conforme as atividades são executadas e as necessidades do momento.

Cultura do poder

A cultura do poder é comum em empresas pequenas pois se caracteriza por concentrar a liderança em uma só pessoa. Geralmente, esse profissional é o proprietário ou um gerente que comanda toda a organização.

Aqui, as equipes costumam ser orientadas a conquistar resultados, o que deve ser feito com muita cautela para não resultar em um clima de competição.

Quando não estimulada de maneira saudável, o efeito reverso pode causar problemas nas relações internas e refletir nos resultados de forma negativa. É preciso que o líder tome cuidado com sua postura para evitar que isso não aconteça.

Cultura de papéis

Também chamada de cultura de funções, a cultura de papéis é um dos tipos de cultura organizacional que pode ser positiva e negativa, dependendo da visão da empresa e de como administra seu time.

O foco principal desse modelo é no desempenho das funções pelos colaboradores, que têm os níveis hierárquicos bem estabelecidos e as atribuições definidas com clareza. Quando ministrado de forma correta, a definição dos procedimentos cria uma equipe integrada, altamente competitiva e de referência no que faz.

Para isso, é necessário o investimento em atração, retenção e capacitação de talentos. O efeito contrário são profissionais engessados, incapazes de acrescentarem novas ideias e trazer sugestões para a melhoria dos processos, tornando a rotina lenta e truncada.

Um exemplo de empresas que adotam a cultura de papéis são os órgãos públicos, em que o concursado se candidata a uma função em específico e a desempenha durante toda a sua carreira, sempre com o respaldo de treinamentos para aprimorar seu trabalho.

Cultura de tarefas

A cultura de tarefas assemelha-se a cultura de papéis. Enquanto a anterior está focada nas funções desempenhadas, essa tem seu foco na resolução de problemas, contratando e desenvolvendo seus colaboradores para lidar com variadas situações.

A rotina deve ser flexível, assim como o ritmo de trabalho. Como esses profissionais não se enquadram em um perfil que gosta da previsibilidade, as atividades são desempenhadas de acordo com os acontecimentos.

Indivíduos que laboram sob esse tipo de cultura organizacional costumam ter uma motivação maior em seu dia a dia, já que se sentem valorizados e têm liberdade para dar o seu melhor.

Cultura de pessoas

A cultura de pessoas, como todas, também é focada no capital humano da empresa e valorizam o trabalho propriamente dito dos profissionais, a integração entre as equipes e o crescimento individual de cada um.

Empresas que adotam esse modelo colocam seus colaboradores em primeiro lugar, dando espaço para que compartilhem suas ideias e levam todos os pontos de vista em consideração.

Plano de carreira, retenção de talentos e a gestão de benefícios são fortemente presentes nessas organizações, uma vez que se busca a formação de líderes para dar sustentabilidade ao negócio e garante o crescimento de seus trabalhadores junto com a empresa.

Mas atenção: é preciso considerar o equilíbrio entre os focos. Funcionários, parceiros de trabalhos, clientes e infraestrutura no geral, devem ter a mesma importância e receber a mesma atenção por parte dos gestores.

Tão importante quanto conhecer os tipos de cultura organizacional e definir qual política será seguida pela empresa é o planejamento estratégico. Por meio dele será estabelecido o caminho a ser seguido, atendendo às necessidades do negócio e usufruindo dos seus benefícios.

Nosso artigo foi útil para você? Quer saber mais sobre como deixar os colaboradores satisfeitos? Confira nosso artigo sobre as ações de endomarketing que podem ser realizadas dentro da empresa. Até breve!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *