Big data no RH: quais os impactos dentro das organizações?

Tempo de leitura: 6 minutos

A área de Recursos Humanos nas empresas lida com adversidades no ambiente interno e externo, tenta suprir as necessidades de seus colaboradores, busca o equilíbrio organizacional, transmite valores, acolhe ideias, investe em melhorias, além de fazer escolhas diariamente.

Para que haja economia de recursos nas decisões, o setor precisa armazenar e analisar muitas informações. Nesse sentido, o Big Data no RH permite que esses processos sejam feitos de forma mais eficiente.

Um bom exemplo da dimensão dessa tecnologia, é pensar na Netflix. Cada vez que você acessa, lê sinopses, escolhe ou rejeita filmes, dados estão sendo gerados. Assim, essa plataforma de streaming faz uso do Big Data, além de outras soluções, para sugerir opções mais personalizadas ao seu perfil.

Quer entender quais os benefícios e como aplicar essa tecnologia na sua organização? Continue a leitura!

O que é o Big Data?

Big Data é a análise e a interpretação de uma enorme quantidade de informações. Isso quer dizer que as soluções que lidam com esse tipo de tecnologia são capazes de examinar uma ampla variedade de dados estruturados e não-estruturados, abrangendo, para isso, 5Vs:

  • volume: a dimensão de dados gerados;
  • variedade: as fontes que geram as informações são diversas;
  • velocidade: o processamento precisa ser ágil para gerar as informações necessárias;
  • veracidade: os dados são verídicos;
  • valor: a utilidade das informações.

Quando falamos em dados estruturados, estamos nos referindo àqueles que ficam mais organizados e podem ser medidos com ferramentas de baixa complexidade. São facilmente notados e, no RH, podem se relacionar com a idade, nível de escolaridade, localização da moradia, formação profissional e tempo de atuação na empresa.

Já os não-estruturados são de difícil captação e existem em maior quantidade do que os primeiros. Assim, são mais desorganizados, pois são encontrados em diversos meios, por exemplo, o comportamento do colaborador em redes sociais — o que ele segue, curte e posta.

O gerenciamento de recursos humanos não é uma ciência exata. Por lidar com pessoas, a subjetividade deve ser levada em consideração. Ao mesmo tempo, as informações precisam ser medidas e comparadas para que as ações implementadas sejam hábeis.

É possível encontrar um denominador comum no perfil dos trabalhadores mais motivados e, a partir disso, pensar em intervenções para aqueles desmotivados, por exemplo. Desse modo, por meio da ferramenta, uma empresa pode tomar decisões mais acertadas e encontrar um melhor caminho.

Quais as principais aplicações de Big Data no RH?

Uma empresa precisa lidar com uma quantidade imensa de informações que são geradas todos os dias. Com o passar do tempo, esses dados vão aumentando, a ponto de tornar mais complexa a análise. Nesse sentido, o Big Data no RH pode ser útil de várias maneiras, como:

Analisar e reter de talentos

A partir da reunião de muitos dados, o RH tem condições de analisar o que há em comum e se existe um padrão nos talentos que tendem a pedir demissão ou que, geralmente, são demitidos.

Sabemos que um turnover alto indica problemas em determinada questão na organização, mas nem sempre eles são facilmente identificados. Ao conseguir chegar em um modelo, é possível planejar ações para melhorias.

Contratar de forma inteligente

A contratação também pode ser otimizada com o uso do Big Data no RH. Ao cruzar as informações com relação às competências, habilidades e as atitudes dos melhores colaboradores, a empresa entende o que deve procurar nos futuros funcionários. Além disso, existe a possibilidade de encontrar esses dados em plataformas, de forma rápida, como o LinkedIn.

Avaliar o desempenho

O desempenho dos funcionários pode ser medido com mais precisão e inteligência. Inclusive, identificando em cada um os períodos do dia em que são mais produtivos e quando existe quedas na performance.

A partir do resultado, a organização pode definir turnos de trabalho específicos a cada perfil. Também é possível perceber características comportamentais em comum naqueles que apresentam ótimos desempenhos para a empresa.

Quais os benefícios de adotar essa tecnologia?

Otimizar processos de contratar e treinar

Imagine que a empresa detecte que o desempenho geral esteja muito baixo. Ela precisa tomar uma decisão urgente e importante: contratar novos talentos, que tenham exatamente as habilidades necessárias, ou investir em treinamentos para colaboradores antigos.

Uma decisão errada pode gerar desperdícios de recursos e tempo. É preciso entender qual opção é mais vantajosa para a empresa. Para isso, o Big Data pode identificar os dados para ampliar a percepção sobre a melhor decisão.

Reduzir erros

Ações mal planejadas tendem a levar a organização a enfrentar turnover de talentos, absenteísmo e dificuldades em processos de motivação, por exemplo. Isso, ainda, implica mais despesas.

O Big Data elimina grande parte desses erros e custos, já que viabiliza enorme quantidade de dados úteis e verídicos para fundamentar as decisões.

Atuar de forma mais estratégica e eficaz

Para que um gestor consiga ter uma atuação mais estratégica, ele precisa de conhecimentos apurados dentro e fora da organização. Mas, se já é difícil conseguir reunir as informações do ambiente interno, as do externo são ainda mais complicadas e, por isso, acabam sendo negligenciadas.

O Big Data evita que isso aconteça, já que é capaz de agrupar os dados com velocidade e variedade.

Fornecer melhorias contínuas

Os dados gerados por qualquer meio, alimentam o sistema constantemente. Isso o mantém cada vez mais robusto.

Dentre as vantagens está a maior facilidade para investigar falhas nos processos e proporcionar aperfeiçoamentos. Isso porque as melhorias só vêm depois de um conhecimento profundo sobre os dados e resultados.

Fazer análise preditiva

Quanto mais dados o Big Data acumula, mais ricas ficam as análises. Isso permite que o sistema faça análises preditivas, antecipando certos acontecimentos e reagindo antes do surgimento de problemas. Por exemplo, em entrevistas de contratação, ele pode dizer quais candidatos têm mais probabilidade de ter um comportamento nocivo ao clima organizacional da empresa.

Em todas as organizações, é primordial buscar a otimização dos processos e a redução das falhas. Desse modo, as oportunidades de entregar serviços e produtos de qualidade aos clientes são muito maiores. Por isso, o Big Data no RH, por ajudar a promover a melhoria interna, acaba sendo cada vez mais indispensável para gerir uma empresa.

Quer ficar por dentro de informações importantes sobre gestão de pessoas? Assine nossa newsletter e receba tudo por e-mail!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *