Storytelling em treinamentos: conheça o método para engajar sua equipe!

Tempo de leitura: 6 minutos

Capacitar os colaboradores é parte da rotina da gestão de pessoas em uma empresa. Tal processo enriquece as competências dos funcionários e melhora o desempenho individual e, consequentemente, o organizacional. No entanto, técnicas tradicionais são vistas, muitas vezes, como maçantes. O storytelling em treinamentos é uma saída para fugir um pouco dessa mesmice.

O intuito de propor um procedimento mais informal é o de engajar mais facilmente os trabalhadores e colaborar para a eficiência no resultado. Ele pode ser usado até mesmo como uma estratégia à resistência, que é comum de acontecer em situações que exigem mudanças nas pessoas. Assim, desde instituições pequenas a grandes podem se beneficiar desse método.

Quer entender melhor seus benefícios e como usá-lo na empresa? Acompanhe o texto!

O que é storytelling?

Contar histórias sempre fez parte da humanidade. Não é à toa que seja um costume adultos contarem histórias às crianças, com o objetivo de entretê-las, fazê-las prestarem atenção ou ensiná-las alguma moral.

Acontece que é por meio das histórias que as pessoas conseguem, com mais facilidade, reter conhecimentos. Narrações, quando envolvem as pessoas, fazem-nas aprender de forma lúdica. Isso, porque, durante o momento, o cérebro libera dopamina, substância que dá uma sensação de prazer. Essa associação torna o processo de lembrança mais simples, além de colaborar para um aprendizado mais consistente.

Isso tudo acontece devido a um processo chamado de “acoplamento neuronal”, no qual partes do cérebro são ativadas e permitem que a pessoa seja “transportada” para dentro daquela experiência.

Com isso, seguindo a tradição, o storytelling é o ato de contar uma história, que tenha como estratégia um propósito final. Ele pode ser o de que querer convencer alguém, passar conhecimentos ou, no caso, contribuir para o treinamento.

Quais as vantagens dessa técnica?

Cursos e capacitações não precisam ser formais para surtirem efeito. Aliás, grande parte das vezes, a efetividade nos resultados está em seguir métodos mais informais de aprendizagem. Investir em treinamentos descontraídos pode estimular ainda mais a participação e a vontade de aprimorar conhecimentos, habilidades e atitudes.

Podemos elencar como algumas das vantagens do storytelling em treinamentos as seguintes:

Simples aplicação

Não é necessário possuir profissionais mais habilitados. É preciso, apenas, ter criatividade, além de conhecer bem as características presentes nos colaboradores e ter em mente as que precisam ser adquiridas. Também é preciso ter conhecimento da técnica em si, pois, assim como outras, essa tem uma estrutura e exige objetivos.

Boa aceitação

Os treinandos costumam aceitar bem esses processos que envolvem uma dinâmica na medida certa. É que aquele típico treinamento, de ter longas palestras, por exemplo, pode ser visto como algo cansativo para muitos. Procedimentos diferenciados chamam a atenção e são engajadores, pois a empresa sai daquela rotina de “mais do mesmo”.

Baixo custo

Não é preciso muitos recursos materiais e financeiros para a estratégia. Se o gestor souber como aplicar a técnica, ela tende a atingir seu objetivo de ser envolvente e modificar o comportamento que precisa ser mudado.

Como o storytelling ajuda?

Contar história mexe com as emoções. Se ela conseguir fazer com que o ouvinte se identifique, de certa forma, com o enredo, isso cria um elo e uma empatia com o protagonista. O desenrolar da narração e a mensagem que ela passa têm boas chances de ensinar e melhorar conhecimentos. Como já mencionado, a pessoa aprende mais fácil com conteúdos lúdicos. Assim, podemos citar as seguintes ações:

Envolve mais áreas cerebrais

Com emoções criadas, o aprendizado tende a ser mais solidificado. A explicação para isso é que o processo de ouvir histórias ativa duas importantes áreas cerebrais: uma relativa à compreensão da linguagem e a outra relativa à expressão. Também há o estímulo das áreas sensoriais e motoras. Isso faz com que a aprendizagem e a memorização sejam mais facilitadas.

Incentiva a interação

Como as pessoas se envolvem e se identificam com a narração, isso tende a fazer com que tenham vontade de compartilhar, entre os colegas, experiências e emoções. As pessoas ficam mais abertas a ações colaborativas e à troca de informações e de ideias, o que torna o processo ainda mais enriquecedor.

Promove mais engajamento

A empatia e a identificação geradas levam a um envolvimento mais profundo com o processo. Quando as pessoas estão engajadas, elas são mais incentivadas a se comprometerem com o autodesenvolvimento. Elas buscam a mudança por uma motivação interna, e não, apenas, porque alguém exigiu isso delas.

Quais as dicas para implementar o storytelling em treinamentos?

A técnica conta com algumas regras que precisam ser seguidas para ser efetiva.

Conheça os elementos-chave

A estrutura comum do storytelling é ter: cenário, enredo, personagens, desafio e superação. Isso tudo precisa ser composto pensando na ligação que a audiência vai criar com a história. Assim, é imprescindível traçar um perfil dos colaboradores para conhecer seus problemas, gostos e dores.

O desafio a ser enfrentado pode ter a ver, justamente, com o objetivo ao qual o treinamento se propõe. Já a superação mostrará um personagem que ultrapassou a dificuldade imposta e os ganhos que ele obteve com isso.

Valorize a cultura da empresa

Os valores que a organização segue precisam ser enaltecidos na história contada, a fim de buscar uma aproximação maior com os colaboradores. Quanto mais parecido for o ambiente da narração com o da empresa, mais fácil a identificação acontece. É legal tentar buscar contextos negativos e positivos já vivenciados pelos participantes.

Adéque a linguagem

A forma como a história é comunicada pode ter o poder se aproximar ou afastar o público. Assim, é fundamental saber que tipo de linguagem usar para criar o envolvimento. Essa característica é percebida no processo de traçar o perfil dos trabalhadores.

Tenha um objetivo

Contar histórias só por contar não levará a organização a lugar nenhum. Assim, é importante ter um foco a ser seguido. Treinamentos têm o objetivo de mudar ou aprimorar conhecimentos, habilidades ou atitudes. A técnica usada deve manter o mesmo propósito.

O storytelling em treinamentos, então, tende a atrair mais a audiência e a colaborar para diminuir a resistência dos colaboradores. No entanto, para que tenha sucesso, é importante que a empresa siga a estrutura apropriada.

Gostou do artigo? Deixe um comentário dizendo se sua empresa já fez alguma técnica parecida, ou se você pretende aplicar essa em breve!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *