Entenda o que é Desing Thinking e como aplicar essa estratégia

Tempo de leitura: 6 minutos

Pensar como um designer pode revolucionar o processo de tomada de decisões das empresas. Você deve estar pensando como isso pode acontecer, já que a principal função desse profissional é se comunicar visualmente, certo? Não se preocupe: hoje, você vai aprender o que é design thinking!

O mercado de trabalho atual pressiona gestores e líderes a apresentar resultados imediatos e eficientes. E diversos negócios já entenderam que o capital humano é um ativo valioso para atingir esse objetivo.

Nesse sentido, o conceito atua na busca por soluções criativas, que envolvam as reais necessidades do mercado. Portanto, continue a leitura e fique informado a respeito desse recurso!

O conceito de design thinking

O mercado está cada vez mais competitivo e exige que as empresas apostem em metodologias inovadoras para garantir a sua sustentabilidade no segmento em que está inserido. Os colaboradores são parte importante nesse processo.

Hoje, ser um bom funcionário vai além de cumprir a carga horária sem atrasos e seguir as regras: é necessário apresentar competências que estejam de acordo com essas mudanças do mundo corporativo.

Nesse contexto, responder o que é design thinking está atrelado, basicamente, ao conceito de desenvolvimento de projetos e produtos ou resolução de problemas com base no pensamento dos designers que inclui:

  • pesquisa;
  • brainstorm;
  • seleção de ideias;
  • prototipagem.

A abordagem tem como objetivo estimular os profissionais a resolverem os desafios e encontrar soluções em novas perspectivas, colocando as pessoas no centro das tomadas de decisões e envolvendo esses indivíduos em todo esse processo.

As etapas da estratégia

Ao utilizar a estratégia, é preciso compreender que há cinco etapas que devem ser cumpridas nesse processo. Entenda a seguir!

  1. Empatia e Compreensão: se as pessoas são o centro da tomada de decisões, iniciar um projeto, proposta ou buscar a solução de um problema deve começar pela capacidade de se colocar no lugar do outro, tentando compreender o contexto de suas ações perspectivas;
  2. Definição: as respostas obtidas na primeira etapa vão servir como base para delimitar o que deve ser criado ou resolvido;
  3. Idealizar: aqui é onde ocorre o brainstorm, ou seja, um grande volume de ideias e sugestões que são lançadas sem julgamentos;
  4. Prototipar: etapa em que as ideias são avaliadas e escolhidas para criar simulações sobre a ação final;
  5. Testar: com base nos protótipos, é hora de experimentar, testar e avaliar para descobrir o que melhor se encaixa na demanda da empresa.

Atuação na otimização dos resultados

As empresas brasileiras mais inovadoras do mercado já estão utilizando o conceito de design thinking na busca pela otimização dos resultados, por meio da criação de novos produtos e serviços que atuam como verdadeiros diferenciais competitivos e mantêm essas organizações sempre à frente da concorrência.

O principal pilar dessa metodologia está na compreensão do comportamento humano. Dessa forma, a solução encontrada não atua exatamente como uma maneira única de resolver um problema. Ela se transforma em uma oportunidade de inovação e desenvolvimento de novas ferramentas ou produtos que possibilitam que a expansão dos resultados de uma empresa.

Podemos citar as empresas bancárias como usuárias frequentes deste recurso. Como estão sempre em busca de ofertar novos produtos que facilitem a vida de seus correntistas, periodicamente esses clientes são surpreendidos com novidades ou uma solução diferenciada para eventuais problemas.

Uso do design thinking na prática

Para poder utilizar as técnicas do design thinking, o primeiro passo é formar equipes multidisciplinares. Ou seja, profissionais com conhecimentos em diferentes áreas de negócios, mas que conheçam bem as políticas internas da empresa.

Para estimular a participação desses colaboradores, a criação de um comitê de inovação funciona muito bem. Mentes criativas devem ser aproveitadas e instigadas a ofertar suas ideias, interagindo com colegas de outros setores. Quando se restringem apenas ao seu próprio departamento, dificilmente podem ter o despertar necessário para alguma solução inovadora.

A participação nos resultados também é um estímulo que deve ser utilizado. Assim, esses colaboradores realmente sentem que sua contribuição é um diferencial e, dessa forma, passam a oferecer todo o seu potencial em troca de resultados satisfatórios para o negócio.

Veja agora dois exemplos de como essa perspectiva pode ser utilizada na prática!

Equipe de vendas

O design thinking pode ser utilizado pela equipe de vendas de uma maneira muito prática. Inclusive, possivelmente a empresa pode ter um time composto de grandes pensadores criativos sem ter se dado conta disso.

Se há um profissional nessa equipe que trabalha tentando enxergar as situações com os olhos do cliente, possivelmente utilizam esse conhecimento para criar táticas de persuasão.

Essa prática pode ser utilizada para elaborar um treinamento para essas pessoas, potencializando essa habilidade e promovendo resultados cada vez melhores.

Núcleo estratégico

Citamos anteriormente a possibilidade de compor um comitê de inovação para aplicar as técnicas do design thinking. Para que esse comitê tenha uma atuação mais estratégica, é possível integrá-lo a um núcleo que analisa as situações de passado, estabelecendo um padrão de atitudes que devem ser potencializadas ou evitadas no futuro.

Essa avaliação serve como um fio condutor para novas ideias e soluções inovadoras, respeitando as perspectivas mais atuais do consumidor e mantendo a empresa atualizada em relação a essas demandas.

Processos internos

O design thinking não é benéfico apenas para a relação com os clientes externos. Ele pode e deve ser aplicado para promover soluções ao funcionamento interno da empresa.

Da mesma forma em que o núcleo estratégico trabalha na busca por melhorias oferecidas aos consumidores, também deve atuar para descobrir quais características precisam ser potencializadas e corrigidas dentro das equipes, promovendo um ambiente colaborativo e extraindo o melhor que cada colaborador pode oferecer.

Como você pôde perceber, o design thinking é uma forma segura e eficiente de entender as demandas dos clientes internos e externos, muitas vezes antes mesmo de existirem. Quanto mais as ações forem pautadas nessa metodologia, a tendência é que os produtos e soluções oferecidas sejam mais adequadas às demandas do mercado.

Agora que você já sabe o que é design thinking, que tal apostar nesse recurso como um aliado à cultura da inovação dentro da sua organização?

Continue se informando a respeito de recursos inovadores! Confira agora mesmo esse pequeno vídeo sobre personal branding!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *