Gamificação nas empresas: entenda o princípio da Octalysis

Tempo de leitura: 7 minutos

Gerir equipes e extrair o melhor dos colaboradores, reter de talentos, aumentar a produtividade, motivação e engajamento, captar e fidelizar o cliente. São vários elementos que demandam atenção dos gestores de uma companhia e introduzir a gamificação nas empresas pode beneficiar todos eles.

Mas afinal, o que é a gamificação? Como o próprio nome sugere, podemos dizer que é incorporar o mundo dos games na organização. Quer entender um pouco melhor do que se trata e como o princípio da Octalysis pode ajudar a chegar aos bons resultados? Então acompanhe a leitura!

O conceito de gamificação

Não se sabe ao certo quando surgiu o termo, mas a expressão se popularizou em meados de 2010, quando a gamificação nas empresas teceu como objetivo o uso de instrumentos mecânico dos jogos e temas lúdicos para promover engajamento, competitividade e interação entre os colaboradores.

Trata-se de inserir em sua rotina e nos seus sistemas, como a intranet, mecanismos de conquistas e gratificações por bater metas e alcançar outras finalidades preestabelecidas, motivando os trabalhadores a buscarem soluções práticas e ágeis para os problemas do dia a dia, além de proporcionar melhores resultados.

O conceito apresenta, ainda, uma particularidade. Utilizar a ludicidade para o treinamento das aptidões proporciona entretenimento, sociabilidade, potencializa resultados e promove uma sensação de tranquilidade no ambiente de trabalho, uma vez que a tecnologia funciona como uma forma de atrair a atenção dos jovens e reciclar o conhecimento dos funcionários mais experientes.

Como funciona a gamificação nas empresas

A gamificação nas empresas pode ser utilizada com diversas finalidades, entre elas:

  • para o treinamento de equipes;
  • nos processos de integração de novos colaboradores;
  • na reciclagem do conhecimento sobre produtos e/ou serviços fornecidos pela companhia;
  • para elevar o nível de engajamento;
  • no estímulo à criatividade;
  • na captação e fidelização de clientes.

Para que isso aconteça, deve funcionar da seguinte forma: a empresa lança um desafio aos colaboradores, seja ele online ou não. Como todo jogo, precisa de regras, direcionamentos, objetivo e recompensa.

Quem participa de um jogo, requer um feedback a respeito da sua atuação como jogador, o que se faz extremamente necessário no contexto empresarial, pois, é por meio dele que as equipes conseguem saber o seu desempenho durante o andamento das atividades, e assim, entendem quais pontos estão acertando e quais precisam melhorar.

É obrigação da empresa estipular uma competição saudável, para que os desafios sejam superados e ao fim do programa, sejam recompensados. Essas recompensas podem ser:

  • um bônus em dinheiro;
  • um almoço ou jantar concedido à todas as equipes;
  • cartões-presentes;
  • um sistema de pontuação que faça parte de um plano de cargos e salários;
  • um dia de folga.

Vale lembrar que, as gratificações podem estar diretamente relacionadas a um foco maior. Por exemplo, o game pode ter como objetivo desenvolver novas técnicas em vendas para bater uma meta específica. A prática aumenta as chances de seus colaboradores utilizarem todo o seu potencial para conquistarem os melhores prêmios.

Quais são os benefícios

Podemos elencar uma ampla lista de benefícios da gamificação nas empresas. Conheça algumas:

  • possibilidade de otimizar os recursos utilizados para treinamentos e reciclagem do conhecimento;
  • estímulo ao engajamento individual e coletivo;
  • incentivo ao comprometimento com esquema de recompensas pelas atitudes dentro da corporação;
  • envolvimento dos funcionários e colaboração com a retenção de talentos por meio da experiência que essa prática proporciona;
  • impulsionamento das vendas;
  • aumento da produtividade;
  • colaboração com a comunicação interna e externa;
  • aumento da visibilidade para a marca;
  • desenvolvimento da motivação coletiva e individual;
  • possibilidade de mensurar os resultados em tempo real.

Princípio da Octalysis na gamificação

Agora que você já sabe o que é a gamificação, seu papel nas empresas e os seus benefícios, chegou a hora de entender um pouco melhor o seu uso por meio do princípio da Octalysis.

O Octalysis é uma tática de gamificação criada por Yu-kai Chou, um dos pioneiros da ferramenta, e recebeu esse nome, pois é estruturado no formato de octágono, em que cada lado da figura serve de base para um dos oito gatilhos do comportamento humano, considerados estímulos fundamentais para que as pessoas alcancem o engajamento. Conheça:

  1. Meaning: chamado épico;
  2. Accomplishment: desenvolvimento e realização;
  3. Empowerment: empoderamento;
  4. Ownership: propriedade e posse;
  5. Social Influence: influência social e afinidade;
  6. Scarcity: escassez e impaciência;
  7. Unpredictability: imprevisibilidade e curiosidade;
  8. Avoidance: Perda e evasão.

Entenda cada um deles por meio dos exemplos a seguir.

Chamado épico

O convite que a empresa deve fazer ao colaborador ou cliente, para que se envolva e faça parte do desenvolvimento da organização.

O aplicativo Waze é um ótimo exemplo dessa prática, convidando o usuário a participar de um grupo de motoristas com o objetivo de construir um trânsito mais seguro, com informações valiosas, como os buracos presentes nas estradas.

Desenvolvimento e realização

O estímulo do desenvolvimento e da realização pode funcionar como uma barra de progresso, em que o jogador pode verificar a sua evolução em tempo real.

As empresas podem utilizar essa função em seus jogos online ou para se relacionar com clientes e fornecedores, como o LinkedIn, que sobe o usuário de nível de acordo com a quantidade de informações preenchidas.

Empoderamento

Esse estímulo possibilita o crescimento por meio da criação de planos e aprendizagem por erros e acertos.

Ótimo recurso para games mais longos que incluem em sua recompensa o plano de cargos e salários.

Propriedade e posse

Como o próprio nome sugere, faz com que o jogador desenvolva a sensação de ser dono de um negócio. Ótimo para treinamos em que o objetivo seja o desenvolvimento de líderes.

Influência social e afinidade

Qual o impacto que seus jogadores exercem sobre outras pessoas e, qual o potencial real de se tornarem formadores de opinião?

Esses gatilhos são muito úteis quando se trata de vendas e a MaxMilhas utiliza muito bem esse recurso. O Dia Mundial das Milhas foi criado com o objetivo de alavancar a venda de produtos por meio da união dos usuários. Quanto mais inscritos no site, maior será o desconto que todos receberão.

Escassez e impaciência

Companhias de telefonia móvel sabem utilizar muito bem esse recurso quando limitam o acesso à internet, oferecendo uma extensão da velocidade mediante o pagamento de uma cota extra.

Essas empresas estão fazendo uso dos gatilhos de escassez e impaciência, motivando a renovação dos serviços por meio da sensação de poder trazida por conseguir um recurso limitado.

Imprevisibilidade e curiosidade

Esse gatilho trabalha os preceitos de que a pessoa sempre pode se surpreender com algo, mesmo que já conheça o assunto. É como jogar na loteria: você sabe que as chances são mínimas, mas vai que…

O estímulo pode ser usado para fazer com que as pessoas exercitem o processo de tomada de decisões.

Perda e evasão

Aqui, o objetivo é a precaução. Você já tentou fazer uma reserva pelo Booking? A empresa usa esse princípio para vender as reservas com rapidez, uma vez que a opção de menor valor é perdida caso o cliente demore para fazer a reserva.

Com esses exemplos, ficou mais claro o entendimento sobre a gamificação nas empresas e como ela pode ser um recurso muito útil para conquistar clientes, vender mais e estimular os colaboradores a atingirem os melhores resultados?

Se você ficou com alguma dúvida ou tem algo para acrescentar, deixe seu comentário! Nós adoramos dialogar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *