Home office e flexibilidade no trabalho: 9 mitos e verdades

Tempo de leitura: 6 minutos

Você tem dúvidas sobre home office e flexibilidade no trabalho? Quer aprender um pouco mais sobre essa prática que vem crescendo, principalmente, nas grandes cidades? Então você está no caminho certo!

Com o avanço da tecnologia, muitas profissões permitem que o funcionário trabalhe fora da empresa — em casa ou numa cafeteria, por exemplo. O trabalho remoto faz sucesso porque gera benefício tanto para a empresa como para os colaboradores. Mas, para obter bons resultados, é essencial haver um bom planejamento.

Mesmo nos dias atuais, ainda existem muitas ideias equivocadas sobre o trabalho em casa. Por isso, no artigo de hoje, vamos conhecer 9 mitos e verdades sobre home office e flexibilidade no trabalho. Confira:

1. O home office retira as responsabilidades da empresa sobre medicina do trabalho

Mito. A empresa tem responsabilidades em relação à Medicina e Segurança do Trabalho de todos os trabalhadores registrados na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), independentemente se um trabalhador exerce suas atividades nos limites da empresa ou não.

É responsabilidade da organização a manutenção do Programa de Prevenção de Riscos (PPRA) e do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO), além de todos os exames já conhecidos como os exames clínicos admissional, demissional, periódico, mudança de função e de retorno ao trabalho para todos aqueles regidos pela CLT.

2. Existe uma norma regulamentadora que prevê parâmetros para as condições de trabalho

Verdade. Com a reforma trabalhista, a prática do home office foi regulamentada. A Norma Regulamentadora 17 (NR 17), do Ministério do Trabalho, estabelece padrões para que os trabalhadores executem suas atividades com segurança, independentemente de onde as tarefas sejam realizadas.

De acordo com a NR 17, quando o trabalhador autoriza, o empregador deve realizar a análise ergonômica do local de trabalho. Cabe à empresa averiguar as condições de trabalho e, quando necessário, fornecer equipamentos e fazer adaptações para tornar o ambiente adequado.

Ainda, a reforma trabalhista não oferece direito às horas extras nesse modelo, fazendo com que esses trabalhadores não estejam inclusos no regime de controle de jornada.

3. O trabalhador em home office não precisa participar dos treinamentos de segurança

Mito. Assim como é dever do empregador fornecer informações referentes à saúde, segurança e produtividade, o colaborador tem a responsabilidade de participar dos treinamentos de segurança.

Nesse caso, os treinamentos devem abordar a rotina de trabalho e orientar sobre a postura adequada, instruindo, por exemplo, se é recomendável ou não trabalhar na cama ou no sofá. Com o aconselhamento, os colaboradores podem ter uma rotina mais equilibrada e produtiva, mesmo fora do escritório.

4. Funcionários que trabalham em home office são mais produtivos

Verdade. A Harvard Business Review divulgou um estudo que verificou uma alta de 13,5% na produtividade dos trabalhadores que aderiram ao home office. E mais: em comparação aos trabalhadores do escritório, os de home office eram mais felizes e satisfeitos com o trabalho.

Tal resultado pode ser atribuído a fatores como não precisar enfrentar o trânsito para chegar ao escritório e poder contar com a tranquilidade de trabalhar em casa. São benefícios que impactam na produtividade, diminuem o estresse e elevam a qualidade de vida dos trabalhadores.

5. Nem todo trabalhador se adapta ao home office

Verdade. Nem todos querem ou possuem a disciplina e concentração necessárias para trabalhar em casa, de forma que os resultados positivos e o aumento de produtividade não aconteceriam com essas pessoas.

O ideal é que, antes de a empresa adotar o home office, seja feito um planejamento e os funcionários sejam consultados sobre essa possibilidade. Também é fundamental fazer um período de testes introduzindo essa prática em apenas alguns dias da semana, por exemplo.

6. As reuniões não funcionam em home office

Mito. Você pode pensar que as reuniões presenciais são a maneira mais produtiva e eficiente de fazer trabalhar. Acontece que, graças a ferramentas de videoconferência como o Skype, Hangouts, entre outras, se reunir em um espaço virtual pode ser tão produtivo quanto uma reunião no escritório.

A razão para isso é que as equipes remotas tendem a determinar um tempo específico para realizar uma atividade, então há mais objetividade. Além disso, as reuniões virtuais também são mais flexíveis para resolver as restrições de tempo, horários conflitantes e diferentes fusos horários.

7. Quem trabalha em casa pode fugir do trabalho sempre que quiser

Mito. Aliás, o contrário disso, ou seja, pensar que o trabalhador remoto nunca para, também é um mito bastante comum. Na realidade, o home office requer que o trabalhador tenha uma organização e rotina de trabalho semelhantes à do escritório.

Outro ponto é que, como na empresa, o colaborador está sempre em comunicação com seu gestor. Ele não pode simplesmente tirar uns dias de folga sem informar a ninguém.

Com organização e equilíbrio, os profissionais são capazes de entregar resultados e conseguem, ainda, realizar atividades que tragam prazer. Isso garante qualidade de vida e harmonia entre vida pessoal e profissional.

8. O trabalho home office reduz custos para a empresa

Verdade. Empresas que oferecem home office e flexibilidade no trabalho podem ter uma redução de custos, pois os escritórios podem ser menores, diminuindo o valor do aluguel. Custos de manutenção do ambiente, como energia, café e máquinas copiadoras também tendem a cair devido ao menor fluxo de trabalhadores.

Outra vantagem é que, quando uma empresa precisa crescer, essa prática permite contratar profissionais sem a necessidade de aumentar também o espaço físico.

9. Informações importantes da empresa ficam vulneráveis

Mito. Hoje, já existem recursos para manter a segurança dos dados. Uma solução é utilizar as Virtual Private Networks (VPNs), que criptografam a comunicação via internet entre o colaborador e a empresa. Existem também as Virtual Machines (VMs), que permitem o acesso virtualmente, de qualquer lugar, de todas as informações que o colaborador precisa, enquanto estão armazenadas nos computadores da empresa.

Com organização, disciplina e disposição, esse modelo de trabalho pode proporcionar um aumento na qualidade de vida, diminuição do nível de estresse e, consequentemente, aumento da produtividade e satisfação dos colaboradores. Agora que você sabe mais sobre home office e flexibilidade no trabalho, avalie se essa é uma boa opção para sua empresa e seus funcionários!

E aí, este artigo ajudou a desmistificar alguns aspectos a respeito dessa tendência? Então compartilhe o texto em suas redes sociais para que seus amigos também conheçam mais sobre home office e flexibilidade no trabalho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *