A arte de gerenciar pessoas segundo Chiavenato

Tempo de leitura: 12 minutos

Qualidade de vida para o funcionário e motivação constante fazem toda a diferença nos resultados da empresa. Esse é um dos ensinamentos deixados por Chiavenato, um dos teóricos mais importantes na área de recursos humanos.

Por muito tempo, a ideia era de que o capital era responsável pela sustentação das empresas, que era crucial para o potencial sucesso e quem tivesse o maior capital financeiro alcançaria o êxito na organização. Felizmente, hoje em dia, a intenção é a de recrutar e manter uma consistente força de trabalho. O cenário atual finalmente está relacionado ao talento, às competências, habilidades e capital intelectual.

Neste post, vamos falar mais sobre a arte de gerenciar pessoas, segundo Chiavenato. Também explicaremos sobre a trajetória e as obras desse importante teórico. Acompanhe tudo isso, nos tópicos a seguir!

Idalberto Chiavenato: conheça a trajetória do autor

Não existe um pessoa que cursou administração ou recursos humanos na faculdade, que não tenha entrado em contato com pelo menos uma obra de Idalberto Chiavenato. Isso porque o autor é um dos mais reconhecidos da área e contribuiu muito para a formação de uma literatura nacional sobre a gestão de pessoas.

Idalberto Chiavenato nasceu no ano de 1936, na cidade de Viradouro, no interior de São Paulo. Atualmente ele está com 83 anos de idade e segue ativo, ministrando aulas e cursos, eventualmente. Além disso, também é presidente de um instituto que leva o seu nome e atua como conselheiro no Conselho Regional de Administração de São Paulo –CRA/SP.

Formação acadêmica

Chiavenato é graduado em Filosofia e em Pedagogia pela Universidade de São Paulo e também especialista em Psicologia Educacional, pela mesma instituição.

É ainda bacharel em Direito e especialista em Administração de empresa pela Fundação Getúlio Vargas.

Na City University, localizada em Los Angeles, nos Estados Unidos, Chiavenato tornou-se mestre e doutor em Administração.

Além do doutorado acadêmico, Chiavenato também recebeu dois títulos de doutor Honoris Causa, título dado às universidades para pessoas que têm grande destaque na comunidade acadêmica.

Livros publicados

Chiavenato tem mais de 30 obras publicadas em língua portuguesa e mais de 17 em língua espanhola. Seus livros são considerados verdadeiros best-sellers na área da administração. Eles focam em assuntos como a administração de modo geral, os recursos humanos, o comportamento organizacional e as estratégias executadas nas empresas.

Entre os livros de Chiavenato que mais se destacam está o Teoria Geral da Administração, lançado pela primeira vez no ano de 1983. Até hoje a obra tem muita relevância no meio acadêmico e profissional, sendo tido por muitos como uma verdadeira bíblia da administração.

Veja, a seguir, a lista completa com todos os livros que já foram publicados por Idalberto Chiavenato até os dias de hoje!

  • Administração de recursos humanos;
  • Administração geral e pública;
  • Administração nos novos tempos;
  • Administração para não administradores;
  • Administração: teoria e processo;
  • Carreira e competência;
  • Coaching e mentoring;
  • Comportamento organizacional;
  • Desempenho humano nas empresas;
  • Empreendedorismo;
  • Escolha seu futuro;
  • Fundamentos de administração;
  • Gerenciando com as pessoas;
  • Gestão da produção;
  • Gestão de materiais;
  • Gestão de pessoas;
  • Gestão de vendas;
  • Gestão financeira;
  • Iniciação à administração de recursos humanos;
  • Iniciação à administração geral;
  • Iniciação a sistemas, organização e métodos;
  • Iniciação à teoria das organizações;
  • Introdução à teoria geral da administração;
  • Introdução à teoria geral da administração compacta;
  • Planejamento e controle da produção;
  • Planejamento estratégico;
  • Planejamento, recrutamento e seleção de pessoal;
  • Princípios da administração;
  • Recursos humanos;
  • Remuneração, benefícios e relações de trabalho;
  • Teoria geral da administração (volumes I e II);
  • Treinamento e desenvolvimento de recursos humanos;
  • Visão e ação estratégica.

Visão de Chiavenato sobre a área de recursos humanos

No que se refere exclusivamente à área de recursos humanos, Chiavenato levanta a bandeira de que as empresas devem investir fortemente em seu público interno, ou seja, nos seus funcionários. Para ele, os colaboradores são a peça-chave para o sucesso ou o fracasso de uma organização.

Para isso, a empresa precisa ter uma cultura organizacional muito bem definida, com missão, visão, valores, crenças, metas e objetivos muito claros. Assim, devem ser criados meios, como o uso da educação corporativa, para que todos os colaboradores tenham conhecimento sobre a forma de pensar da organização em que estão inseridos.

Chiavenato acredita ainda que as empresas necessitam criar um planejamento estratégico que tenha como foco conquistar a felicidade de seus colaboradores no ambiente de trabalho. Para que isso aconteça, é imprescindível que se conheça os sonhos, os planos e as necessidades das pessoas que fazem parte do quadro organizacional.

Sobre a comunicação com os colaboradores, ele acredita que o processo precisa ter mão dupla, ou seja, emissor e receptor precisam realmente conversar entre si. Dentro desse contexto, o feedback para as demandas levantadas pelos funcionários é muito valorizado.

A boa gestão na área de recursos humanos, de acordo com Chiavenato, faz com que uma série de benefícios sejam gerados para a organização. Os principais deles são a seguir relacionados. Veja!

Diminuição do turnover

Com o foco das empresas no funcionário, eles deixarão de ter o desejo de abandonar o empresa. De tal modo, haverá menos rotatividade de funcionários, o que gera muitos gastos para a organização.

Aumento da produtividade

Os funcionários que recebem treinamento e benefícios se sentirão bem nas empresas em que trabalham. Isso gera um aumento da produtividade nas atividades realizadas.

Promoção da satisfação e do reconhecimento

As atividades desenvolvidas no setor de RH, quando bem estruturadas e aplicadas corretamente, promovem a satisfação e o reconhecimento por parte dos colaboradores. Isso reflete no trabalho, que será feito com muito mais reconhecimento e qualidade.

Mapeamento do clima organizacional

Chiavenato acredita que todas as empresas devem investir em pesquisas de clima organizacional, para que assim tenham um mapeamento de como as pessoas estão se sentindo na companhia. Dessa forma, podem ser criados programas e diretrizes para que quadros inadequados sejam revertidos.

Colaborações do autor para o RH

As colaboradores de Chiavenato para o RH também são diversas. Fizemos um breve resumo com as principais delas:

  • recrutamento e seleção: devem ser utilizadas ferramentas para conhecer bem os candidatos e suas competências;
  • integração da equipe interna: encontros devem ser realizados para fortalecer os laços entre as equipes;
  • avaliação de desempenho: é necessário que a empresa avalie o desempenho de seus colaboradores, nas atividades em que eles atuam;
  • programas de incentivo: devem ser criados programas que deem benefícios reais aos colaboradores. Assim eles terão motivação para realizar as suas atividades.

O conceito de gestão de pessoas, na visão de Chiavenato

Qualquer empresa depende fundamentalmente das pessoas para o seu desenvolvimento e sucesso, portanto, a principal filosofia da gestão de pessoas é a valorização delas, que são o maior bem patrimonial existente.

Idalberto Chiavenato, reconhecido autor brasileiro na área de administração de empresas e de recursos humanos, afirma que as pessoas são elementos cruciais para as empresas no que diz respeito ao cumprimento das missões e atingimento dos objetivos propostos. Em contrapartida, as organizações são o meio pelo qual essas pessoas podem alcançar seus almejados objetivos.

É importante definir apropriadamente as estratégias, que devem ser claras e objetivas, sem esquecer que a competência e o comprometimento das pessoas envolvidas garantem os resultados esperados.

De acordo com Chiavenato (2004), a gestão de pessoas está provocando eventuais mudanças na Administração de RH, pois inclui o trabalhador, que antes não tinha o devido reconhecimento, como parceiro da empresa. Isso quer dizer que a gestão de pessoas também possui uma visão sobre trabalho e trabalhador que antecede e, ao mesmo tempo, guia suas ações. Uma boa gestão é aquela que busca criar um elo forte e determinante entre as pessoas e as estratégias.

É comum ocorrer confusão entre a definição sobre o que significa Gestão de Pessoas e Gestão de Recursos Humanos, o que, consequentemente, pode comprometer os resultados.

Por esse motivo, vamos entender a diferença entre ambas:

A Gestão de Recursos Humanos lida com as políticas de RH, recrutamento e seleção, plano de carreira, avaliação de desempenho, banco de talentos, clima organizacional, entre outros. Já a Gestão de Pessoas é responsabilidade do gestor, que proporciona o desenvolvimento de seus colaboradores e de suas competências em geral. Essa gestão, realizada de forma eficaz, busca a melhoria e a otimização de habilidades e capacidades, inclusive no âmbito pessoal, ou seja, o funcionário precisa da empresa, mas a empresa também precisa dele.

Chiavenato (2004, p. 05-06) complementa expondo que:

[…] Sem organizações e sem pessoas certamente não haveria a Gestão de Pessoas. É uma área muito sensível à mentalidade que predomina nas organizações. Ela é contingencial e situacional, pois depende de vários aspectos como a cultura que exista em cada organização, a estrutura organizacional adotada, as características do contexto ambiental, o negócio da organização, a tecnologia utilizada, os processos internos e uma infinidade de outras variáveis importantes.

Contextualizando a importância da Gestão de Pessoas

Nos dias de hoje, ainda temos exemplos de empresas que não possuem uma política de reconhecimento e nem se preocupam com a qualidade de vida de seus colaboradores, tratando-os apenas como números, ou seja, meros instrumentos para se conseguir um determinado resultado. Felizmente, essa mentalidade ultrapassada está perdendo espaço em modernas empresas que adotam a metodologia de administração de pessoas de Idalberto Chiavenato.

De acordo com Chiavenato, a gestão de pessoas é indispensável para o sucesso de empresas de pequeno, médio e grande porte, independente de seu segmento. Por esse motivo, é extremamente importante que gestores de organizações e gerentes de recursos humanos entendam que em um mercado cada vez mais competitivo, qualquer detalhe que aperfeiçoe o que a empresa realiza e entrega no mercado pode e deve ser valorizado, pois não há empresa sem pessoas.

A gestão de pessoas deve contar com práticas efetivas, desde o recrutamento de novos colaboradores, passando pela seleção de profissionais até os treinamentos aplicados. Para os colaboradores novatos, é um diferencial sentirem-se bem em uma cultura organizacional onde exista valorização, respeito e harmonia entre todos.

As organizações que integram variados perfis de colaboradores, devem seguir alguns objetivos acerca da teoria de Chiavenato para Gestão de Pessoas. Veja:

  • integração das pessoas em prol dos resultados da empresa;
  • maior competitividade (saudável) entre os colaboradores em busca dos melhores resultados;
  • treinamentos adequados e programas de motivação;
  • investimentos na qualidade de vida no trabalho;
  • manutenção da ética em todos os setores da empresa.

As pessoas são ativadores inteligentes de recursos organizacionais

Atualmente, apesar das frequentes mudanças e desafios diários, as pessoas têm a competência suficiente de se renovar e estimular as empresas com sua sagacidade e talento, cobiçando novas aprendizagens em busca de permanente renovação. Elas trazem consigo um estímulo organizacional sem omissão ou estagnação.

Quando ocorre a parceria entre empresa e colaborador, surge, por parte das pessoas, um investimento em tempo, esforço, dedicação, responsabilidades e riscos, conduzindo a organização para a busca por excelência e sucesso. Esse investimento tem como propósito um retorno por meio de incentivo financeiro, reconhecimento, crescimento profissional, entre outros, portanto, todo esse investimento é justificado quando o retorno se torna satisfatório. Com esse estímulo, as pessoas são encorajadas na busca por aperfeiçoamento.

É esse o objetivo principal da Gestão de pessoas: fazer com que as organizações se conscientizem que as pessoas constituem o principal ativo da organização. Essas organizações bem-sucedidas estão compreendendo que só conseguirão crescer, se desenvolver e se tornar sustentáveis se tiverem a capacidade de otimizar o retorno do investimento de seus parceiros, especialmente de seus colaboradores. Quando as empresas estão voltadas para as pessoas, a cultura e o clima organizacional passam a considerar essa crença.

A Gestão de Pessoas é capaz de permitir a colaboração eficaz dos profissionais, recursos humanos, talentos ou qualquer denominação utilizada para cumprir seus objetivos organizacionais. Por esses motivos, é importante que a gestão de pessoas seja colocada em prática com êxito para que se tenha um bom e produtivo ambiente de trabalho, onde não só a empresa se favoreça, mas também seus empregados e que eles se sintam felizes em trabalhar, atingindo o sucesso da empresa e, claro, satisfação pessoal.

Gostou do assunto? Agora você já sabe mais sobre o importante estudioso Idalberto Chiavenato e sobre todas as contribuições que ele trouxe para as áreas de recursos humanos e gestão de pessoas.

Esses conceitos, aliás, não significam a mesma coisa. Saiba mais lendo o nosso artigo sobre a diferença entre gestão de pessoas e recursos humanos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *