Aprenda a estruturar uma boa entrevista de desligamento

Tempo de leitura: 7 minutos

A entrevista de desligamento é uma poderosa ferramenta para o crescimento de uma corporação. O objetivo principal é receber um feedback do ex-colaborador a respeito da postura da organização.

Com esses dados em mãos, é possível aplicar melhorias com mais agilidade e exatidão em seus processos internos, implementar novas políticas de benefícios e outros atrativos que possam promover uma boa imagem corporativa, retenção de talentos e redução do turnover.

Este artigo vai pontuar algumas medidas que devem ser tomadas para que essa importante e delicada conversa produza os efeitos esperados. Descubra, aqui, como se preparar, os pontos cruciais e as perguntas que não podem faltar durante o diálogo. Acompanhe!

Como se preparar para uma entrevista de desligamento?

O desligamento de um colaborador costuma ser um momento desconfortável no dia a dia da empresa. Mesmo que a demissão tenha sido voluntária ou até mesmo esperada pelo agora ex-funcionário, a entrevista pode ser regada a fortes emoções.

Por isso, é muito importante que o entrevistador esteja preparado para conduzir o diálogo da melhor forma possível. Confira nossas sugestões.

Marque o compromisso para alguns dias após a demissão

Para que o ex-colaborador responda às perguntas da maneira mais sincera possível, marque a entrevista para alguns dias após o desligamento, seja ele voluntário ou por iniciativa da empresa.

Esse intervalo é importante para dar uma acalmada nas emoções, tanto do empregado como do empregador. É útil, ainda, para aquelas informações extras que podem aparecer quando o indivíduo em questão se ausenta, como alguma conduta inadequada ou injustiça sofrida.

Observe a reação no momento do anúncio de desligamento

Se o ex-colaborador não estava esperando pelo corte e demonstrar surpresa na hora da demissão, é possível que a entrevista seja bastante influenciada pelos aspectos emocionais. É necessário observar a reação no momento do anúncio e fazer uma leitura dos sinais apresentados.

Caso perceba uma alta carga emocional, tenha cautela na escolha das perguntas, ouça a pessoa com atenção durante o andamento da conversa, mas use o bom senso na hora de avaliar.

Avalie a rotatividade do cargo

Na hora de compor as perguntas para a entrevista de desligamento, é importante avaliar a rotatividade do cargo. Se muitas pessoas estão sendo demitidas da função, isso acende um alerta para um possível processo seletivo inadequado.

Nesse caso, direcione os questionamentos para descobrir as dificuldades que o ex-colaborador teve com a rotina do setor e, assim, conseguir readequar o perfil da vaga.

Estude o currículo do ex-funcionário

A organização realmente acompanha o indivíduo enquanto ele é funcionário ou só está ciente dos títulos que a pessoa tinha no momento em que foi selecionado para a vaga?

Colaboradores que buscam evoluir investem em capacitação e, quando não se sentem valorizados pelo atual empregador, procuram por novas oportunidades. Isso pode acontecer dentro da sua empresa.

Se os gestores foram surpreendidos por um pedido de desligamento de um bom funcionário, com um histórico impecável de produtividade e de relacionamento interpessoal, cabe ao RH investigar o que aconteceu e descobrir se os supervisores estão negligenciando a formação da sua equipe.

Prepare o roteiro de perguntas com antecedência

A lista de perguntas deve contemplar uma série de itens obrigatórios, assim como os questionamentos direcionados para aquele profissional em específico, de acordo com a área de atuação e as particularidades da função exercida.

A melhor forma de não deixar passar nenhum ponto importante é preparar o roteiro com antecedência, desde o momento em que os gestores comunicam a decisão ou o funcionário pede o desligamento.

Converse com o supervisor do ex-colaborador

Para que os questionamentos sejam realmente relevantes para a empresa, é importante conversar com o supervisor do funcionário em questão e solicitar a aprovação do roteiro de perguntas.

Assim, poderão ser acrescentadas as informações que vão possibilitar as melhorias necessárias em cada departamento e que eventualmente não eram do seu conhecimento.

Busque um bom software de avaliação

Para atingir o objetivo proposto pela entrevista de desligamento, é necessário fazer uma boa avaliação das informações recebidas. Geralmente, quem aceita participar do processo está disposto a falar a verdade.

Por mais que algumas pessoas omitam fatos por uma necessidade de manter as portas abertas, ainda assim, as informações recebidas serão pertinentes e devem ser bem avaliadas. Esses dados, por serem confidenciais, são traduzidos em gráficos e estatísticas que revelam problemas relacionados à gestão de pessoas dentro da empresa.

Empresas como a Woli fornecem soluções em tecnologia para a condução de um RH mais eficiente e incluem as ferramentas para o ciclo de desligamento em seu pacote.

Quais os pontos cruciais?

Ao inserir a entrevista de desligamento na política da empresa, alguns cuidados precisam ser tomados. A primeira e mais importante regra é que a conversa não deve ser obrigatória. Portanto, o ex-colaborador não pode se sentir obrigado ou coagido a participar desse processo, especialmente se a demissão não for da vontade dele.

A empresa também deve prestar muita atenção à pessoa que vai ser designada para a posição de entrevistadora. É preferível que o profissional tenha formação na área de psicologia e conheça profundamente a empresa e sua forma de trabalho.

Dessa forma, além de entender os aspectos que devem ser pontuados, saberá como trabalhar a confiança do indivíduo e conduzir a entrevista sem constrangimentos.

Que perguntas não podem deixar de ser feitas?

Ao longo deste texto, sugerimos uma série de ações que o RH deve realizar para contemplar as particularidades de cada colaborador e do setor envolvido. Contudo, uma entrevista de desligamento bem estruturada deve conter algumas questões quase obrigatórias, independentemente do departamento.

Seja no caso do funcionário desligado por vontade própria ou por desejo da empresa, as perguntas devem abordar:

  • o relacionamento com o ex-supervisor e colegas de setor;
  • possíveis dificuldades na comunicação interna;
  • o que a empresa pode melhorar;
  • impressões sobre o trabalho dos outros setores;
  • opiniões sobre a estrutura física da empresa;
  • de que forma vê o trabalho do RH;
  • contribuição do negócio para a evolução na vida profissional.

Veja de que forma essas questões podem ser aplicadas na prática:

  • Como você pode definir o seu relacionamento com o gestor do departamento e os colegas do setor?
  • Qual a sua opinião sobre a forma como a empresa se comunicava com você? As informações chegavam corretamente, no tempo certo? De que forma podemos melhorar nisso?
  • Em que aspectos a empresa pode melhorar?
  • Como você vê os demais setores da empresa?
  • Qual a sua opinião sobre a estrutura física da organização?
  • Você gostaria de dar algum feedback sobre o departamento de recursos humanos?
  • Nós oferecemos as oportunidades necessárias para que você conseguisse se desenvolver profissionalmente?

Vale lembrar de que a entrevista de desligamento serve para que a empresa possa evoluir. Portanto, seja empático, respeitoso, ouça com atenção o que a pessoa tem a dizer e esteja ciente de que o seu trabalho também pode ser alvo de críticas.

Avaliar os resultados é fundamental para o crescimento da corporação. Conheça a ferramenta Desliga, da Woli.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *